CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Gramática Moderna da Língua Portuguesa
Língua viva é a que renasce continuamente tal fênix linguística!
Textos


                                        O PARÁGRAFO DISSERTATIVO 
Desenvolvimento - O parágrafo é um grupo de frases que tratam de um mesmo tópico, por isso, o desenvolvimento deve ser completo e coerente, isto é, cada frase deve se referir, direta ou indiretamente, ao tópico frasal. Para executar essa tarefa, dividiremos em dois grupos de frases:

I. (FPE) Frase Principal de Explanação – é a que desenvolve diretamente o tópico frasal com informação nova ou diferente;
II. (FAE) Frase Auxiliar de Explanação – esta desenvolve diretamente a frase principal e indiretamenteo tópico frasal, ao ajudar a frase principal a torná‑lo mais compreensível. Exemplos:
               
“Quando, às vésperas de uma eleição, um político pseudonacionalista consegue aparecer em um programa de televisão, apresentado em rede nacional, julga, tendenciosamente, que o Brasil é líder da América pobre. Se, por um lado, a difusão do nacionalismo é uma ilusão, pois implica virtuose política, ações menos egocêntricas e ética da cidadania, por outro, a decantada integração cultural do MERCOSUL não ocorrerá se mantidos os moldes atuais, afinal, requer programação, apoio dos governos, boa vontade das partes e muito desprendimento no tocante a esses idílios eleitoreiros de autoprojeção”.
 
Comentários: nota-se que o parágrafo possui uma idéia central – o pseudonacionalismo como máscara para intentar o poder do Brasil sobre os demais países do MERCOSUL – expressa no tópico frasal. Duas FPE criticam essas intenções e duas FAE explicitam os motivos que levam o autor a externar sua dúvida quanto a essa liderança. Pode-se esquematizar o parágrafo assim:
 
TF – Quando, às vésperas de uma eleição, um político pseudonacionalista consegue aparecer em um programa de televisão, apresentado em rede nacional, julga, tendenciosamente, que o Brasil é líder da América pobre.
 
FPE 1. a difusão do nacionalismo é uma ilusão
FAE 1. implica virtuose política, ações menos egocêntricas e ética da cidadania
FPE 2. a decantada integração cultural do MERCOSUL não ocorrerá se mantidos os moldes atuais
FAE 2. requer programação, apoio dos governos, boa vontade das partes e muito desprendimento no tocante a esses idílios eleitoreiros de autoprojeção.
 
Atenção
Se o tópico frasal afirmou que “o Brasil não pode intentar liderança sobre os demais países do MERCOSUL”, devem‑se evitar FPE e FAE que falem das qualidades ou dos defeitos do país. Todas as frases do parágrafo devem referir‑se à incapacidade de liderança do Brasil.

Já se estudou que um tópico frasal tem a função de transmitir a idéia-núcleo do parágrafo e é desenvolvido por duas frases que o expandem: a frase tópico de explanação e a frase auxiliar de explanação. Pode-se afirmar com isso que a forma já foi estabelecida, falta agora o estudo de seu conteúdo. Considerando-se cada tipo de leitura e de explanação dos temas sugeridos, o desenvolvimento deve ser elaborado de acordo com o tipo de tópico frasal indicado na introdução.
 
A. Desenvolvimento por definiçãotrata-se de explicar ao leitor o significado dos conceitos empregados no texto.
(TF) Política é o modo mais seguro de se perder a ética de uma vida em poucos meses. Ao menos é que se vê cotidianamente com políticos que se valem de seus cargos eletivos para atingirem benesses próprias, esquecendo-se de suas promessas de servir à população que o elegeu com a probidade que dele se espera.
 
Comentários:o modo mais fácil de se definir é usar sinonímia. Não se esqueça de que o conceito de sinonímia é estabelecido pela contextualização pois não há sinônimos perfeitos. Para se fazer entender valha-se do processo de identificação precisa do objeto a ser conceituado, delimitando-o dentro da mesma classe à qual pertencem outros similares, ou seja, por mais que lhe pareça óbvio o que pensou dizer, lembre que o leitor não quer compreender suas inferências (deduções e induções); faça-se entender por recorrência (observação, compreensão).
Exemplos:
A.
I. CONCEITO FALHO: A bicicleta é um aparelho de duas rodas.
Pergunte-se: bicicleta é um aparelho? Consoante definição do Dicionário Aurélio Século XXI: aparelho é um “conjunto de mecanismos, de finalidade específica, numa máquina, engenho, etc.”
 
II. CONCEITO PRECISO: A bicicleta é um veículo de duas rodas, constituído por um quadro, montado em duas rodas, alinhadas uma atrás da outra dotado de selim e manobrado por guidom e acionado por pedais.
 
B.
I. CONCEITO FALHO: O livro é um lugar onde se aprende.
Pergunte-se: livro é lugar?
 
II. CONCEITO PRECISO: livro é a reunião de folhas ou cadernos, presos por um dos lados, montados em capa flexível ou rígida.
 
Para se definir com sabedoria:
I. nunca utilize as expressões é quando ou é onde:
ERRADO: Um discurso é quando se lê em público ou se escreve para esse fim.
CORRETO: Um discurso é uma peça oratória proferida em público ou escrita como se tivesse de o ser.
 
II. nunca utilize o mesmo vocábulo que está sendo definido, ou outro dele derivado:
ERRADO: Migrar é quando um migrante migra para determinada região.
CORRETO: Migrar é mudar periodicamente, ou passar de uma região para outra, de um país para outro.
 
III. nunca utilize o preciosismo para definir termo de pouco domínio popular:
ERRADO: A sístole não passa de um tipo de hiperbibasmo contrário à diástole.
CORRETO: A sístole é a deslocação do acento tônico de uma palavra para a sílaba anterior (diástole, para a posterior).
 
IV. apenas utilize definições negativas quando esta for a característica que a distinga:
ERRADO: Um lobo não é um felino, nem um ovíparo, mas um canídeo carnívoro.
CORRETO: Incauto é um sujeito não cauteloso, imprudente.
 
V. não use linguagem figurada para definir:
ERRADO: A lua é refúgio dos amores proibidos.
CORRETO: A lua e o satélite da Terra, cuja evolução em torno desta dura cerca de 27 dias e 8 horas, tempo que igualmente gasta para girar em torno de seu próprio eixo.
 
B. Desenvolvimento por enumeração:trata-se da enumeração de elementos que comporão cada um dos parágrafos argumentativos.
(TF) O aborto deve ser discutido em três níveis: cultural, penal e médico. O primeiro rege o comportamento de cada sociedade; o segundo, a questão da criminalização; e o terceiro, o plano ético.
 
C. Desenvolvimento por comparação ou confronto: trata-se do confronto entre duas idéias, dois fatos, dois seres, seja por meio de contrastes das diferenças, seja do paralelo das semelhanças.
(TF) A vida é um acúmulo constante de experiências, e não um jogo de azar. Os experimentalismos conduzem a erros e acertos, necessários ao aprendizado, enquanto o jogo revela ganhadores ou perdedores; logo, quem aposta na vida pode não ter o que aprender seus ensinamentos.
 
D. Desenvolvimento por razões: durante o desenvolvimento apresentam-se as razões, os motivos que comprovam o que se afirma no tópico frasal.
(TF) As mulheres recebem menos mesmo quando desempenham funções similares aos homens. A principal razão é a ausência do trabalho, autorizada por lei, e sua conseqüente substituição temporária, o que faz com que a folha de pagamento sofra oscilações de pico.
 
E. Desenvolvimento por análise: trata-se da divisão do todo em partes.
(TF) Há três tipos básicos de redação: narração, descrição e dissertação. Enquanto a primeira conta uma história com envolvimento de personagens num determinado tempo e lugar, a segunda trata esse mesmo personagem segundo ótica fisiológica ou psicológica, já a terceira é um convite à reflexão e ao debate das idéias propostas para discussão.
 
F. Desenvolvimento por exemplificação: consiste em esclarecer o que foi afirmado no tópico frasal por meio de exemplos.
(TF) As novidades trazem à tona medos e inseguranças. Pode-se verificar que os mais velhos revelam insegurança diante de computadores ou aparelhos celulares, necessitando da ajuda dos jovens para executarem tarefas simples como digitação ou discagem.

Nelson Maia Schocair
Enviado por Nelson Maia Schocair em 01/03/2007
Alterado em 13/04/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site www.gramaticainstrumental.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários